A aprovação do aumento na tarifa de ônibus no transporte coletivo de Maceió voltou a ser debatida pela Câmara Municipal na sessão ordinária desta quarta-feira (7). O assunto foi abordado pela vereadora Silvania Barbosa (PRB), que, inclusive, é a autora do projeto de lei, protocolado também nesta quarta, que devolve ao Legislativo municipal a discussão do reajuste na passagem de ônibus da capital. Atualmente, o assunto é definido pelo Conselho Municipal de Transporte e Trânsito, ligado à SMTT. O PL deve ser lido na sessão desta quinta-feira (8) e passa a tramitar nas comissões até voltar ao Plenário para votação.

Em seu discurso, Silvania Barbosa falou sobre outro projeto dela, o que obriga as empresas do setor a instalar sinal de WI-fi nos coletivos da capital. A vereadora também se mostrou bastante chateada por seu projeto ter sido alvo de ironia por parte de um dos membros do Conselho. A vereadora leu em Plenário o que o conselheiro teria escrito em um grupo de “whatsapp”: “desse jeito, além do WiFi, os empresários deveriam também servir cafezinho aos passageiros”. O conselheiro também teria chamado o Legislativo de “provinciano”, o que causou indignação não somente da parlamentar, como de outros vereadores que falaram sobre o assunto por meio de apartes à fala da vice-presidente da Câmara.

“Primeiro, alegaram que colocar WiFi nos coletivos aumentaria o número de assaltos aos coletivos. Essa é uma questão para segurança pública resolver. Agora, como li, nos chamam de provincianos e fazem meu projeto de lei de chacota em redes sociais. Esse conselheiro deveria ter coragem de vir aqui na Câmara para dizer olhando no meu olho que sou ridícula ou algo do tipo. Por isso, colegas vereadores precisamos dar um basta nessa situação e ter nossos projetos de lei aprovados e efetivamente postos em prática, o que as empresas não fazem, desrespeitando esse poder. Para isso, precisamos fazer com que o aumento da tarifa de ônibus volte a ser debatido e decidido por esta Casa. Protocolei hoje o PL com esse fim e espero contar com o apoio dos colegas vereadores”, declarou Silvania Barbosa.

Em um dos apartes à fala dela, o vereador José Márcio Filho (PSDB) afirmou que ouviu comentários deselegantes ao PL e à atuação da vereadora. Ele exigiu respeito à Casa. “Creio, senhora vereadora, que não adianta nos desgastarmos aqui na tribuna, embora o assunto mereça toda atenção. O que devemos fazer é trazer o valor do aumento da passagem de ônibus em Maceió para ser debatido e definido aqui no Legislativo, como foi no passado. Retornando para esta Casa, poderemos, de fato, avaliar se o aumento dado é justo ou se, necessário até, baixar o valor da tarifa. O Conselho é importante, mas na Câmara é onde podemos escutar verdadeiramente a população”, avaliou Zé Márcio Filho, que é o representante da Câmara no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito.

Além dele, os vereadores Silvânio Barbosa (PMDB) e Tereza Nelma (PSDB) apoiaram a iniciativa de Silvania Barbosa e garantiram que vão votar a favor do PL dela. Silvânio Barbosa, inclusive, também teve recentemente os Pls do botão de pânico e a retirada das catracas duplas (os gaiolões) vetados pelo chefe do Executivo municipal. Barbosa fez duras críticas à qualidade do serviço oferecido pelo setor à população de Maceió.

“Um dos questionamentos dos empresários é sobre quem vai pagar pelo WIFi, pelo botão de pânico e ar-condicionado, tudo isso aprovado aqui na Casa. Eu respondo: quem vai pagar é a população, porque já paga passagem muito cara por um serviço de péssima qualidade, com ônibus velhos, lotados e que demoram uma eternidade para passar no ponto. Por isso, Silvania, estou com a senhora, e precisamos discutir o aumento da tarifa na Câmara. Se a passagem já é cara, tem que oferecer serviços com qualidade”, disse o emedebista.

Tereza Nelma deu a resposta para o conselheiro que chamou a Casa e seus vereadores de provincianos. “Na verdade, vereadora Silvania Barbosa, provinciano é o serviço oferecido pelas empresas de ônibus de Maceió. Provinciano é pagar R$ 3.80 e andar em pé e quase sempre apertado como está a população que precisa de coletivo na capital. Por isso, o projeto para voltarmos a debater o aumento aqui na Casa já tem meu apoio”, garantiu a tucana.

A Câmara deixou de discutir os aumentos, a partir do momento em que, através de decreto, o Executivo alterou o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito, dando-lhe caráter deliberativo e não mais consultivo, como era desde sua criação na gestão Kátia Born.