O presidente da Câmara Municipal de Maceió, Kelmann Vieira (PSDB), aproveitou a aprovação de seis indicações de autoria dele para a entrega da Comenda Policial Civil Anderson de Lima Silva a membros da corporação, para fazer um apelo ao governador do estado, Renan Filho (MDB). O discurso aconteceu durante a sessão ordinária desta quinta-feira (5).

“Temos visto que o governo do estado não tem medido esforços para equipar e modernizar a Polícia Militar de Alagoas. O investimento é mais do que justo e necessário. Por outro lado, governador Renan Filho, como delegado de polícia há 14 anos, sei como é difícil o dia a dia dos meus colegas de corporação que também não deixam de dar o sangue para que a sociedade se sinta mais segura e que, com nossas ações, a criminalidade diminua. Por isso, governador, é hora de começar a investir também na Polícia Civil de Alagoas”, declarou Kelmann Vieira.

O presidente da Câmara explicou ainda os motivos que o levaram a fazer as indicações a membros da PC.

“Tenho tido sempre o cuidado para indicar pessoas com as diversas honrarias que possuímos aqui na Câmara. Confesso que não costumo homenagear com frequência, mas, como delegado de polícia que sou, entendi que seria necessário agraciar colegas de corporação com a entrega da Comenda Anderson de Lima Silva, um exemplo de policial que, em um dia de folga, acabou pagando com a vida a sua bravura e entrega à Polícia Civil. Anderson foi um guerreiro e tentou pôr fim a um assalto a uma agência bancária da nossa capital, quando acabou sendo morto pelos bandidos. A bravura do Anderson é a mesma dos que homenageio com a comenda e que precisam ser bem mais valorizados pelo estado de Alagoas”, esclareceu Kelmann Vieira. “Não será uma homenagem do vereador Kelmann Vieira e sim da Câmara Municipal de Maceió, reconhecendo o trabalho de cada um deles e de toda a corporação”, completou.

Serão homenageados os policiais civis Jorge Mendes Dantas, Taísa dos Santos Lima, Antonio Augusto de Jesus Lima, José Clewton Nazário da Silva, Pedro de Almeida e José Cícero Alves de Lima.

Durante a sessão ordinária, a Câmara ainda aprovou outras indicações, requerimentos, moção de aplauso e um projeto de lei. Todas as iniciativas dos parlamentares visam à melhoria da condição de vida dos moradores da capital. Com uma ordem do dia extensa, a maioria dos requerimentos e iniciativas foram aprovados em bloco, com permissão de cada vereador autor dos pedidos. O único PL da tarde diz respeito à concessão de Título de Cidadão Honorário de Maceió a Mário Soares Dias, de autoria da vice-presidente da Casa, Silvania Barbosa (PRB).

Entre os requerimentos aprovados estão alguns do vereador Francisco Sales (PPL), como um que sugere a pavimentação da Alameda Carmelita Omena de Farias. Lobão, do (PR), também teve indicações aprovadas, em bloco, como a que sugere a pavimentação asfáltica com drenagem na Rua Dilermando Reis, no Santa Lúcia.

Dudu Ronalsa (PSDB), em requerimento, requer melhorias no fluxo do trânsito da região em frente ao Lukita Moto Peças e serviços na Avenida Dr. Caio Porto e São Sebastião, no Pontal da Barra. Luciano Marinho (Podemos), por meio de indicação, requer audiência pública para discutir a problemática dos serviços de transporte coletivo nas comunidades Jardim Royal, Novo Jardim, Gran Jardim, Residencial Maceió I e adjacências.

O vereador Silvânio Barbosa (MDB) também teve muitos requerimentos aprovados na sessão desta quinta, como o que solicita do Executivo para que tome providências quanto à entrada e saída dos ônibus no Terminal Integrado do Benedito Bentes I.

Tereza Nelma (PSDB) teve uma moção de aplauso à Universidade Federal de Alagoas pela recente qualificação do INEP.

MORADORES DO PINHEIRO– Um grupo de moradores do Conjunto Divaldo Suruagy, no Pinheiro, utilizou a tribuna da Casa, nesta quinta, para cobrar das autoridades uma solução sobre as rachaduras que apareceram nos apartamentos em fevereiro.

A advogada Cláudia Mendes lembrou a angústia das dezenas de famílias que tiveram que sair de suas casas. “As primeiras rachaduras apareceram em fevereiro, aumentaram com as chuvas e com o tremor de terra. Problema é que até agora, não temos resposta, não há um laudo e não há uma iniciativa que nos mostre o que podemos fazer e o que cabe ao poder público nesse caso. Como vamos viver com aluguel social de R$ 250? Meus pais têm apartamento no Divaldo Surugay há 28 anos, e agora tivemos que nos mudar, de favor, para casa de um irmão dele que pode nos ceder a moradia por um tempo. Mas e quem não tem essa opção?”, questionou a moradora.

“Vamos nos juntar em duas frentes para atuação da comissão que será formada comigo, o presidente Kelmann Vieira e Silvania Barbosa para irmos até o prefeito Rui Palmeira. À Câmara cabe provocar as autoridades como iremos fazer. A outra é também nos dirigirmos ao governador Renan Filho. Para isso, nossa proposta é realizarmos uma audiência pública em conjunto com a Assembleia Legislativa de Alagoas, iniciativa que já foi autorizada pelo presidente Kelmann Vieira porque tudo isso é custo. Sobre a obra, sabemos que é de drenagem, e obra dessa natureza é cara. Porém, mais caro é a vida do cidadão”, disse Silvânio Barbosa.