Especialistas em geologia e áreas afins vão se reunir, a partir das 9h da próxima segunda-feira (12), em audiência pública na Câmara Municipal de Maceió, para discutirem o recente tremor de terra que atingiu diversos bairros da capital, no último sábado (3). Localidades como Pinheiro, Farol e Pitanguinha, por exemplo, foram os que mais tiveram relatos de abalos. A audiência pública foi proposta pelo vereador do PV, Sílvio Camelo, e aprovada por unanimidade. O Serviço Geológico do Brasil vai analisar o caso de Maceió.

De acordo com o parlamentar, técnicos das secretarias do Meio Ambiente do estado e município, Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Companhia de Saneamento de Alagoas (Casa), secretarias municipal e estadual de Infraestrutura, Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), Defesa Civil, Instituto do Meio Ambiente (IMA) e ministérios públicos estadual e federal foram convidados o debate. Além deles, o geólogo e professor de Hidrologia do Cesmac, Ricardo Queiroz, e a também geóloga e professora da Ufal, Rochana de Andrade Lima já confirmaram presença.

“O debate na audiência pública marcada para a Câmara é muito importante. Mas, não menos significativo é dizer que não há, ainda, como determinarmos ou definirmos o que realmente aconteceu no sábado em Maceió. Iniciei um estudo em 2000, que foi abraçado pela Ufal em e o Cesmac em 2009, que indicava fissuras no subsolo de Maceió. Porém, somente com a análise do Serviço Geológico do Brasil, que deve ser apresentar em 30 dias os resultados, é que teremos um posicionamento sobre o ocorrido”, destacou Ricardo Queiroz.

“Não sabemos quais os reais motivos que deram causa aos tremores de terra em Maceió, no último sábado, quando inúmeras pessoas relataram o pânico que viveram dentro de suas casas e apartamentos. Infelizmente, o tremor veio logo em seguida às fortes chuvas que caíram na nossa capital naquele dia. Por isso, apresentei requerimento aprovado na Casa para que técnicos e autoridades no assunto possam vir aqui, para debatermos suas prováveis causas para sabermos se há algo que posa ser feito”, declarou o vereador do PV.