O delegado da Polícia Federal Carlos Daniel Veras Silver, morto em 2 de julho de 2013, foi homenageado nesta quinta-feira (15), pela Câmara Municipal, com o Título de Cidadão Benemérito de Maceió in memoriam, em retribuição aos relevantes serviços prestados à sociedade maceioense e à PF. A honraria foi proposta pelo vereador Antonio Hollanda (PMDB) e aprovada por unanimidade pelos demais integrantes do Legislativo municipal.

O superintendente da Polícia Federal em Alagoas, delegado Bernardo Gonçalves de Torres, participou da homenagem ao amigo. A sessão solene teve a presença também de vários delegados federais, gestores públicos, familiares e amigos do homenageado.

Em sua fala, o vereador Antonio Hollanda afirmou tratar-se de “uma homenagem justa, de reconhecimento aos valores éticos, morais, intelectuais de um cidadão igual ao doutor Daniel Veras, que prestou relevantes contribuições à sociedade e a um órgão ao qual serviu com dedicação, como foi sua atuação na PF. Sempre se mostrou solícito, amigo e fiel. Apesar de novo, deixava transparecer grande eficiência e senso de responsabilidade. Esteve à frente da PF na Bahia e atuou com muita firmeza no combate às organizações criminosas, ao tráfico de drogas e entorpecentes”, afirmou o parlamentar, ao destacar: “Essa Casa e os vereadores se sentem honrados com esse título a esse homem que foi um exemplo”.

Bernardo Gonçalves, superintendente da PF em Alagoas, falou em nome dos demais delegados amigos do homenageado. “Hoje é um dia de muita emoção e de muita honra”, ele disse ao destacar seu convívio e amizade com Daniel Veras, com quem dividiu espaço no alojamento ainda na academia, em Brasília.

“Construímos nossa amizade há 15 anos, na academia da PF em Brasília. Meu sonho era ser jogador de futebol. O dele sempre foi ser delegado da Polícia Federal. Meu colega de alojamento, ele se notabilizou pela irreverência, bom humor e personalidade inesquecível. Meu amigo Daniel construiu sua carreira na superintendência regional do Espírito Santo, onde chefiou a Delegacia de Combate a Entorpecente e Drogas. Atuação que lhe fez assumir posto na superintendência da Bahia. Corajoso, íntegro, inteligente, autêntico, leal, parceiro. Eu absorvi muitas dessas qualidades dele, que tinha humildade no trato com seus subordinados. Tenho certeza que vários líderes da PF absorveram”, lembrou o superintendente Bernardo Gonçalves.

Bastante emocionada, a mãe do homenageado, Maria Antonieta Gonçalves Veras, usou da tribuna da Casa para falar sobre o significado do título outorgado pela Câmara a seu filho, agradecer aos amigos e lembrar a trajetória dele e as qualidades como ser humano e profissional. “Daniel sempre foi muito independente. Novo, foi embora para Recife, onde concluiu o segundo grau. Era destemido, corajoso. Não era delegado de ficar sentado. Ia para as operações com os colegas. Mesmo doente, trabalhou até o fim, até onde pôde realizar, com honra, altivez, garra. Nunca reclamou de nada, em nenhum momento”.