Uma comissão de guardas municipais de Maceió esteve na sessão ordinária da Câmara Municipal de vereadores, nesta quinta-feira (26), e ouviu do presidente da Casa, Kelmann Vieira (PSDB), o compromisso de que nenhuma mensagem do Executivo, instituindo o Plano de Cargo e Carreiras (PCC) da categoria, será votado antes de haver um amplo debate entre os servidores, a prefeitura e o Legislativo municipal.

De acordo com a subinspetora da Guarda Municipal, Maria Quitéria, os guardas tiveram acesso a uma suposta minuta do PCC que está sendo elaborado pelo Executivo que, se os termos do documento forem verdadeiros, continuará criando sérios problemas de hierarquia na corporação.

“Hoje, a Guarda possui mais de 700 membros, que são dos concursos de 1996 e de 2000. Infelizmente, a prefeitura deu aumento aos guardas que tinham somente a 8ᵊ série. Para quem tem o Ensino Médio, não houve acréscimo nos salários, e isso já criou um problema grave de hierarquia, atrapalhando sensivelmente o trabalho da Guarda. Agora, depois de elaborarmos uma proposta de PCC para discutirmos com a prefeitura, tivemos acesso a uma minuta do projeto do Executivo, que deixamos claro não termos certeza de ser o documento original. Porém, se forem estes os termos propostos pela prefeitura, teremos ainda mais problemas dentro da corporação. Há muitos aspectos que questionamos, mas um dos mais preocupantes é que garante a promoção na Guarda por meio de processo seletivo. Dessa forma, quem é guarda poderá fazer uma prova e ascender na corporação antes de um subinspetor”, destacou ela.

“A Casa recebe os guardas municipais e já se coloca à disposição da categoria para fazer a interlocução entre a categoria e o Executivo. Embora não saibamos se a minuta seja verdadeira ou não, é preciso discutir e debater um tema tão importante para estes servidores. De toda forma, vocês têm o compromisso de que nada será votado nesta Casa de forma apressada e sem amplo diálogo”, declarou Kelmann Vieira (PSDB).

REUNIÃO – Também nesta quinta-feira, os vereadores Silvânio Barbosa (PMDB), Silvania Barbosa (PRB) e Siderlane Mendonça (PEN) se reuniram com o secretário de Governo, Tácio Melo, e o secretário municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social, Ivon Berto, para debater a intenção da pasta comandada por Ivon em retirar os feirantes que ficam no canteiro central do Benedito Bentes. O assunto foi tema de amplo debate entre os vereadores na sessão ordinária.

Os vereadores se mostraram preocupados com uma possível retirada que estaria agendada para a próxima segunda-feira. “Bom ouvir que, na ausência do líder do governo aqui na Casa, Eduardo Canuto, que está com problema de saúde, José Márcio Filho, ambos do PSDB, faça a interlocução entre a Casa e o Executivo. O assunto é bastante relevante e delicado. Acredito que tanto eu quanto o Siderlane Mendonça, que moramos no Benedito Bentes, sabemos quanto é complicada qualquer ação que mude aqueles feirantes de lugar, muito menos sem a consulta de todos os agentes envolvidos. Por isso, agradecemos aos colegas pela intervenção para que possamos nos reunir com a prefeitura”, disse Silvânio Barbosa.

REPÚDIO – Por meio de requerimento do vereador Dudu Ronalsa (PSDB), foi aprovada moção de repúdio aos organizadores da festa ‘Dei PT, escolhi esperar a festa’ – aos organizadores da festa, tendo em vista a vulgarização dos símbolos e entes sagrados utilizados em culto religioso da religião Católica. A festa estava marcada para o dia 18 de novembro, na Jatiúca, em Maceió.

“Senhor presidente, soube agora que foi retirada a postagem nas redes sociais. Divulgaram pessoas vestidos de padre e arcebispo, denegrindo a imagem da Igreja Católica, e isso virou rotina, tendo em vista que ultimamente discutimos aqui a expressão de falsos artistas vulgarizando e ofendendo símbolos religiosos. Independente de terem retirado a postagem ou se o evento não vai mais ocorrer, a gente precisa achar uma maneira de punir, em nosso município, esse tipo de manifestação”, declarou Dudu.

ORDEM – Na Ordem do Dia desta quinta-feira, os vereadores também deliberaram e aprovaram temas como a inclusão do Art. 3° da Lei 6.089 de dezembro de 2011, que instituiu o Outubro Rosa em Maceió, para que na capital alagoana se torne obrigatório a iluminação de prédios públicos na cor rosa e que, também, o Poder Público promova palestras e atividades educativas que discutam o assunto.

Além disso, indicação do vereador Luciano Marinho (Podemos) foi aprovada solicitando ao Executivo que amplie a rede elétrica e reposição de lâmpadas nas instalações da Vila Olímpica Lautenhay Perdigão, assim como requerimento do Francisco Sales (PPL), que sugere a reforma da Praça do Abrigo Luiza Marilac, em Bebedouro.