A Câmara Municipal de Maceió aprovou na sessão ordinária desta terça-feira (8), em primeira discussão, projeto de lei que estabelece a colocação de faixas de pedestre tridimensional – 3D na capital alagoana. Para se tornar lei e seguir à sanção ou veto do Executivo, o projeto de lei, de autoria do vereador Ronaldo Luz (MDB), precisa ser apreciado em segunda discussão. Além deste PL, os parlamentares também deliberaram a respeito de outros temas, através de projetos de lei e requerimentos.

Da tribuna da Casa de Mário Guimarães, Ronaldo Luz afirmou que a faixa de pedestre em 3D já é realidade em outras cidades do Brasil, como Santo André, no ABC Paulista; São Vicente, litoral de São Paulo; além de Limoeiro do Norte, no Ceará e Primavera, no Mato Grosso, entre outras.

“É um projeto que tem como objetivo ainda mais tratar sobre prevenção de acidentes, atropelamentos respeito ao pedestre em Maceió. Como a pintura é em 3D, o motorista naturalmente para frente ao dispositivo porque, na visão dele, ali existe um obstáculo, alto, que o impediria de ultrapassá-lo. Acredito que aprovarmos esse PL de minha autoria é mais uma contribuição desta Casa com nossa capital”, destacou.

De autoria da vice-presidente da Câmara Silvania Barbosa (PRB), a Câmara também aprovou PL que dispõe sobre a obrigatoriedade de profissionais de salvamento aquático nas áreas de lazer pública e privada em Maceió, em segunda discussão. Oriundo da Comissão de Direitos Humanos e Comissão da Criança e Adolescente, PL que institui em Maceió o Dia Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Além deles, a vereadora Tereza Nelma (PSDB) aprovou Projeto de Resolução, que cria a Campanha Coração de Mulher. Siderlane Mendonça, por meio de requerimento, solicita a realização de sessão pública em alusão ao Dia Nacional de Adoção.

VLT - Durante a sessão, o vereador Francisco Sales (PPL) criticou o aumento concedido pela CBTU para as passagens de VLT. Para o parlamentar, o reajuste de 100% na tarifa prejudica, sobretudo, os mais carentes que dependem desse tipo de transporte para se locomover. "Com o que se ganha hoje, os mais pobres não terão condições de pagar pela passagem. Mesmo sendo um alternativa de transporte barato, em comparação com os ônibus, por exemplo, um reajuste nesse percentual é revoltante e atinge em cheio o bolso de centenas de pais e mães de famílias", afirmou.