Dores fortes no peito, às vezes seguida de tontura, tosse, falta de ar e dormência no braço. Esses são alguns dos sintomas que podem indicar início de um infarto do miocárdio. Mas, nem sempre quem os sente consegue identifica-los como tal. Por isso, é necessário que o estado realize uma campanha para conscientizar a população - sobretudo a mais carente e com pouco acesso à informação – a respeito desses sintomas. Esse foi um dos consensos da audiência pública que discutiu o tema nesta segunda-feira (9) na Câmara Municipal de Maceió. A iniciativa foi do vereador Dudu Ronalsa (PSDB) e aprovada pelos demais parlamentares da Casa.

Um dos que defenderam a realização de campanha foi o cardiologista Ricardo César Cavalcanti, que também é diretor-presidente do Hospital do Coração de Alagoas e coordenador, em Alagoas, do Latin America Telemedicine Infarct Network, que tem ajudado a salvar vidas e deixar as pessoas que sofreram infarto agudo do miocárdio ainda aptas para as atividades diárias. O Latin é 100% SUS.

“Trata-se um programa americano que foi adotado, com sucesso, pelo governo do estado. Conseguimos, por meio da tecnologia e rede social, receber dados de pacientes que foram diagnosticados com o problema em cidades como São Miguel e Arapiraca, por exemplo. Pelo telefone ou computador, orientamos colegas cardiologistas nos procedimentos a serem adotados em cada caso específico”, explicou Ricardo César Cavalcanti, lembrando que o Latin oferece um kit com aparelho de eletrocardiograma, computador e impressora.

“A prática com essa experiência americana tem reforçado a necessidade, urgente, de o estado realizar uma campanha para massificar os sintomas que podem ser de um infarto agudo do miocárdio. Se conseguirmos nos antecipar a isso, muitas vidas podem ser salvas e, mais ainda, podemos ter o paciente, em geral, o provedor da família, em condições físicas de ter uma vida considerada normal”, disse o coordenador no estado.

O Latin Alagoas, que recebeu o prêmio de melhor programa de diagnóstico e tratamento do infarto do miocárdio do país, é uma rede conectada com as Upas em Maceió, SAMU, cidades do Agreste com polo em Arapiraca e HGE. Com o programa, um paciente pode deixar de passar sete dias em hospital no pós-operatório e pode sair em até 48h. Isso diminui os custos para o estado.

Experiente cardiologista e ex vice-governador do estado, José Wanderley também reforçou a necessidade de uma campanha para massificar os sintomas do infarto agudo do miocárdio, e também elogiou a iniciativa de Dudu Ronalsa em promover o debate sobre o assunto.

“Gostaria de dizer que ficou muito feliz em poder estar aqui debatendo um assunto muito importante para a saúde das pessoas e parabenizar o vereador Dudu Ronalsa, um parlamentar que para além de sua atividade política, demonstra a preocupação com nosso bem maior, que é a vida. Também gostaria de fazer couro com o colega cardiologista Ricardo Cavalcanti na necessidade de uma campanha para se esclarecer os sintomas de um infarto do miocárdio, porque isso pode salvar vidas. Como disse o Padre Antônio Vieira, é importante fazer e não ficar parado porque quando a gente faz, a gente passa a existir. O contrário também é real”, disse.

O vereador Dudu Ronalsa destacou a importância da audiência pública e de conhecer projetos que sirvam para diminuir os casos de mortes do infarto agudo do miocárdio, a segunda causa de mortes no Brasil e em Alagoas, perdendo somente par o Acidente Vascular Cerebral (AVC).

“O compromisso de um político é de trabalhar sempre para o bom comum. Por isso, resolvemos debater um assunto e as medidas que podem ser tomadas para que menos pessoas morram por conta do infarto do miocárdio em Alagoas e Maceió. Agradeço a presença de todos, sobretudo dos médicos José Wanderely e Ricardo Cavalcanti pelos conhecimentos aqui transmitidos. Como vereador, estou sempre pronto para contribuir com a população”, destacou.