PORTAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ

09/06/2017

Câmara realiza sessão solene em homenagem à Batalha do Riachuelo

Batalha é considerada a mais importante para a Marinha Brasileira e aconteceu em 11 de junho de 1865


Câmara realiza sessão solene em homenagem à Batalha do Riachuelo

A Câmara Municipal de Maceió realizou, na tarde desta sexta-feira (9), sessão solene em homenagem aos 152 anos da Batalha do Riachuelo. Oficialmente, a data é festejada pela Marinha do Brasil em 11 de junho. A homenagem foi uma propositura do vereador Sílvio Camelo (PV) e aprovada, por unanimidade, pelos seus pares na Casa de Mário Guimarães.

“Homenagear a Marinha do Brasil pela Batalha do Riachuelo virou tradição para esta Casa porque é data tão importante para o país e, como tal, não pode, de forma alguma, não ser registrada. A Capitania dos Portos de Alagoas também tem diversos serviços prestados ao estado, promovendo um sistema equilibrado entre civis e militares, haja vista a presença da Capitania em solo civil, como na Câmara Municipal de Vereadores de Maceió. De todos os conflitos, lembrar a Guerra do Paraguai é um dever cívico por tudo que a envolveu. A Batalha do Riachuelo foi um dos principais eventos da Guerra do Paraguai, por isso estamos aqui, mais uma vez, rendendo homenagens a essa data com todos nossos bravos homens da Marinha”, destacou o autor do requerimento.

Representando o capitão dos Portos Mário Márcio Cardoso, o também capitão Marcelo Barbosa da Silva usou a tribuna da Casa para agradecer ao vereador Sílvio Camelo, e a Câmara, por mais uma homenagem que o Legislativo rende à Marinha pela conquista na Guerra do Paraguai.

“Como foi citado pelo vereador Sílvio Camelo, faz parte da tradição da Câmara realizar essa homenagem à Marinha pela Batalha do Riachuelo, aqui tão bem descrita pelo vereador que me antecedeu. Lembrando um pouco dos momentos decisivos que antecederam à vitória, após o início dos combates, a Marinha de guerra, em 11 de junho, estava em franca desvantagem. Mas, graças à astúcia do Almirante Barroso que usou as ferramentas que tinha em mãos e sua criatividade para reverter os rumos do conflito. Lançou suas embarcações que poderiam navegar de maneira mais ágil para combater nos rios. Nesse momento, começamos a ganhar a batalha. Para finalizar minha fala, uso os dois sinais que ficaram famosos, que são ‘o brasil espera que cada um cumpra seu dever’ e ‘sustentai o fogo que a vitória é nossa’. Após esses dois sinais, a Batalha estava praticamente garantida. Mais que bandeiras hasteadas, esses sinais são valores difundidos em nossa instituição. Valores que podem ser estendidos para todo o Brasil nesse momento tão difícil que atravessamos”, declarou o oficial.

Além do capitão, compuseram a mesa André Luiz Macena de Lima, vice-presidente da Federação Nacional das Agências de Navegação Marítima; Eduardo Auto Guimarães, presidente da Somar – Sociedade dos Amigos da Marinha; Antônio Arnaldo Camelo, que preside a Academia de Letras e Artes do estado; e o capitão de Corveta, Mariano Raimundo dos Santos, representando a Ambal.

Batalha do Riachuelo - A Batalha do Riachuelo foi um dos principais eventos militares ocorridos durante a Guerra do Paraguai. Aconteceu no dia 11 de junho de 1865, nas margens do rio Riachuelo, um afluente do rio Paraguai (situado na província de Corrientes, Argentina). Esta batalha naval colocou de um lado os paraguaios e de outro os brasileiros. O Paraguai, sem conexão com o mar, queria muito controlar os rios da bacia do Prata, pois significava uma saída para o Oceano Atlântico, ou seja, uma via de transporte de pessoas e mercadorias.

Na fase inicial da guerra, o Paraguai já havia feito importantes conquistas militares, ocupando regiões da Argentina, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Se saísse vencedor da Batalha do Riachuelo, iria controlar os rios Paraná e Paraguai e dar um importante passo na conquista do Rio Grande do Sul e do Uruguai. Desta forma, poderia fazer comércio com outros países e até receber armas da Europa. A estratégia paraguaia era boa. Aproveitaria o nevoeiro intenso da madrugada para atacar os navios de guerra brasileiros. Porém, um dos navios paraguaios apresentou um problema e fez com que todos outros chegassem atrasados (9h da manhã) para o ataque, num momento que o nevoeiro já havia passado. Com boas condições climáticas e visuais, as forças navais brasileiras, lideradas pelo Almirante Barroso venceram o Paraguai nesta importante e estratégica batalha. A frota brasileira era composta por nove navios de guerra. Já a frota paraguaia possuía 8 navios de guerra. Cerca de 2.500 militares brasileiros combateram na Batalha do Riachuelo.